Insomnia

Mental note: Portished as a soundtrack for insomnia. 

Publicado em nonada | Deixe um comentário

Yorkshire

Completamente imersa no universo de Sally Wainwright. Tanto que a estrada parecia me levar aos seus vales.

Publicado em nonada | Deixe um comentário

Bargaining

Bargaining

You ask for coherence

when I’m running short of it.

Would some sobriety do?

Maybe a bit of sincerity?

Integrity is no longer an option?

Well, handshakes spread germs anyway.

 

Publicado em nonada | Deixe um comentário

DNA

Mostrei à minha mãe um haiku que escrevi e ilustrei. Ela me disse que meu pai também gostava de escrever haikus.

image

 

 

Publicado em nonada | Deixe um comentário

Perdidos

Hoje vi The Martian (com a deliciosa tradução de “Perdido em Marte”- Oi?). Baixado, claro. O filme é bem chato, previsível e com diálogos demais. Acho que foi feito para o Tom Hanks, porque é muito chato mesmo.
Há poucos meses revi Gravidade e a diferença é gritante. Os meteoros atingem a nave , os astronautas estão fora dela, um morre, o outro se sacrifica e uma muher fica sozinha, sem comunicação com a Terra, tentando sobreviver. Em Perdido em Marte algo parecido também acontece, só que tem um time imenso, inclusive com a ajuda dos chineses (oi?) para resgatar um cara que ficou em Marte. Ou seja, em Perdido em Marte a mensagem é: você está fudido e a gente vai te ajudar.
Em Gravidade é : você está fudido e vire-se.
Interessante a escolha de uma mulher para o personagem principal de Gravidade e de um homem para Perdido em Marte.
IMG_4075
Publicado em cinema | Deixe um comentário

Orfandade

Orfãos de Estado. Uns mais que outros. Em uns setores mais que em outros. Uns dias mais que outros. Com pais postiços, que entram em nossas vidas e que ou custam caro ou nos oprimem. 

Publicado em nonada | Deixe um comentário

Olhar sem olhar

Quando se vive há tanto tempo em um lugar, diminui-se a capacidade de indignar-se. Há muito tempo, conversando com uma conhecida estrangeira que morava no Brasil, ouvi dela que, depois de 3 meses aqui ela já “não via a miséria” e isso a impressionava muito.

Será que é isso que nos acontece agora? A violência urbana é tão grande no Brasil e nossa necessidade de (sobre)viver é tanta que olhamos a realidade sem olhar. 

Publicado em nonada | Deixe um comentário